terça-feira, 13 de setembro de 2011

Não é vida! É respiração e transpiração.

Não aceito imperativos dos outros, não.
Fui e sou chamada de ovelha negra, mas nem vida desregrada eu tinha e tampouco tenho. Só queria escrever crônicas a minha maneira.

Acredito que nem todo ser que vive tem vida...Viver não é simplesmente respirar!
Justamente por isso, faço meu viver interessante. Viajo pra lugares incomuns, se tiver que me mudar pra outro lugar o faço sem titubear, converso com estranhos e ouço histórias trágicas, dramáticas, fantásticas e duvidosas.
Não sou de obedecer cegamente aos imperativos da sociedade, tipo :
"Consuma e será feliz!" "Está triste, tome pílula da alegria". "Tenha mil seguidores e será o Cara"
Felicidade não se compra e não há receita. Ser feliz não se tenta, ou o sujeito é feliz ou não é!
Pra ser o "cara" tem que ser bom o suficiente e conhecer quem se é. É fácil ser admirado pelos outros, o difícil é admirar o feio dentro de nós.

Não sou aquela que quer ser legal, não falo o que você quer ouvir, o que digo assumo, o que você interpreta é problema teu. E não gosto de pessoas passivas diante da vida que vive a se queixar e não faz nada pra melhorar. Sou esse tipo assim...
Não confio em pessoas que se sujeitam a posição de objetos de mercadoria, são pouco confiáveis, aceitam trocas a preço de banana.
Essa, gente que vive de imperativos...
Foi viver a vida narrada e ficou oprimido por não tecer sua própria narrativa.
Saiu correndo atrás de sua vida, os quarenta e cinco do segundo tempo chegou primeiro.
Correu tanto que chegou ao final, transpirando e ofegante.
Depois, lamentou-se: A vida é curta!
Isso não é vida. É respiração e transpiração.
Minhas pernas são curtas, mas dou passos longos e gradativos. Meu tempo corre numa velocidade implacável. Então, desobediente como sou, agarro a caneta e a vida se abre como um livro para eu escrever o que faço dela.

2 comentários:

  1. às vezes o difícil é se admirar mesmo, não só o feio dentro de nós, mas o bonito tb. Tem gente que perde tanto tempo sobrevivendo que esquece de viver...

    ResponderExcluir
  2. Adorei Lu, cheia de fôlego e intensidade!!!

    ResponderExcluir

Arts Bighouse